terça-feira, 3 de abril de 2012

"GRITO DE SOCORRO DA LIDERANÇA!"

 
O Salmo 107 identifica um ciclo vivenciado pela liderança e também por todo crente: calamidade, seguida de clamor, atendido com salvamento, culminando em gratidão (v1-3). Este salmo quer nos ensinar que Deus socorre aqueles que O buscam com intensidade através da oração. Vejamos algumas adversidades que podemos enfrentar:

1.O perdido grita por direção (versículos 4 a 9

Alguns têm andado perdidos na jornada da vida, errantes pelo deserto. Sem uma clara direção para suas decisões, desanimam e desfalecem. Quando chegam ao ápice de sua angústia, gritam por socorro (v 6). Neste momento, o Senhor vem para livrá-los, levando-os pelo caminho certo para um lugar de descanso.

Assim também em alguns momentos na liderança, parece-nos que perdemos o rumo. Entramos em alguns labirintos que não sabemos como sair. Muitas decisões para tomar, mas nenhuma inspiração de qual rumo seguir. Algumas decisões tomadas de maneira errada e não sabemos como retomar o trilho correto para nossas vidas. 

Como uma criança que grita de desespero quando se perde, vamos clamar com força a quem pode nos guiar! Muitas são as promessas que o Senhor deixou para expressar seu desejo em nos guiar. O Senhor conduz seu povo não importa onde estejamos, se na mais alta montanha, ou no mais profundo abismo (Salmo 139.8-10). Dirige-nos através de seus líderes (Salmo 77.20), guiando-nos pelo deserto (Salmo 78.52), porque seu amor dura para sempre (Salmo 136.16). Ele nos guia através da verdade (Salmo 25.5, 8-10), e em tempos de trevas ilumina nosso caminho através da sua palavra (Salmo 43.3; 97.11; 119.105).

A maior expressão de um Deus que tem prazer em nos guiar é Jesus Cristo. Ele é a luz do mundo (João 1.4, 5; 9.5) e o caminho que nos leva a Deus (João 14.6). A todo o que está perdido, ele traz direção, pois é a nossa bússola que nos traz o norte seguro.

2.O oprimido grita por libertação (versículos 10-16

Alguns vivem em trevas e presos com correntes de ferro. Desviaram-se dos princípios da Palavra e foram oprimidos pelo inimigo. Mesmo esgotados, encontraram forças para bradar por livramento (v 13). Neste instante, o Senhor os tira da escuridão, quebra toda corrente e despedaça as cadeias. 

Nos dias de hoje, muitos relacionamentos em nossas vidas podem ter se tornado opressão maligna, enfeitiçando e nos amarrando. Agora é o momento de bradar com toda força a quem pode nos livrar! É o Senhor que faz com que os abandonados vivam em família e os prisioneiros sejam livres e tornem-se felizes (Salmo 68.6). É ele quem nos livra das pessoas fraudulentas e injustas (Salmo 43.1). Ele torna-se conhecido por fazer justiça aos oprimidos (Salmo 9.16) e defender o órfão e desamparado (Salmo 10.14, 17-18), pois ama a justiça (Salmo 37.28).

A maior expressão da libertação de Deus está revelada em Jesus Cristo sobre quem está o Espírito para proclamar libertação aos cativos e pôr em liberdade os oprimidos (Lucas 4.18). Ele é a nossa justiça (2 Coríntios 9.8, 9) e a verdade que nos liberta (João 8.32).

3.O enfermo grita por cura (versículos 17-22

Alguns foram conduzidos por sua insensatez e rebeldia. Tornaram-se doentes em seu interior e em seu físico. Mesmo à beira da morte, abriram a voz para gritar por cura (v 19). Em sua grande misericórdia, Deus enviou-lhes a sua palavra e os sarou. 

O mesmo poder de Deus continua operando nos dias de hoje. É ele quem nos cura quando nossos ossos estão abalados (Salmo 6.2), sara as enfermidades da alma (Salmo 41.4), e todas as doenças (Salmo 103.3) dos que tem o coração quebrantado (Salmo 147.3).

Cristo Jesus veio ao mundo e tomou sobre si todas as nossas enfermidades e as nossas dores (Isaías 53.4). Ele curou todo o tipo de doença (Mateus 4.24; 12.15; 21.14). O grande desafio para nossa vida de fé é que ele não nos mandou orar por enfermos, mas curá-los em seu poder e autoridade (Mateus 10.8; Marcos 16.18; Lucas 9.2; Lucas 10.9).

4.O náufrago grita pelo porto seguro (versículos 23-32)

Alguns navegavam a trabalho e enfrentaram os ventos e as ondas. Em meio à revolta do mar, viram-se diante da morte. Mesmo com tanta experiência não podiam vencer o revés. Em meio ao desespero, soltaram seu grito por socorro (v 28). Deus fez cessar a tormenta e os conduziu à terra firme. 

Também nos dias de hoje enfrentamos todo o tipo de tempestade em nossas vidas de trabalho e estudo. Quando tudo está contrário é hora de clamar com intensidade a quem pode nos abençoar! O Senhor transforma os ventos em mensageiros (Salmo 104.4) e todas as manifestações atmosféricas o louvam (Salmo 148.8).

Os evangelhos relatam 10 grandes operações de maravilhas que envolveram o poder de Cristo sobre as leis da natureza. Os ventos e o mar lhe obedecem (Mateus 8.27), pois nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Colossenes 1.16; Hebreus 1.2)

Conclusão

De fato, todas as forças da natureza estão debaixo do grande poder de Deus (vs. 33-42). Vamos agradecê-lo sempre pelas coisas maravilhosas que tem feito por nós (vv 8, 15, 21, 31) e meditar todo o tempo que podemos confiar em seu grande amor e misericórdia (v.43). 

O ciclo da vida permanece o mesmo dos tempos dos salmos: calamidade, seguida de clamor, atendido com salvamento, culminando em gratidão (vv1-3). Nossas necessidades são as mesmas e precisamos ser salvos. Nosso Deus não mudou e continua tendo prazer em ouvir nosso grito de socorro.

Qual o seu grito hoje?

AUTOR: Rodolfo Garcia  Montosa
Postar um comentário