segunda-feira, 22 de setembro de 2014

"DEIXOU TUDO PARA NÃO NOS DEIXAR!"

Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles (Mateus 01:21)

Deixou de soprar o fôlego de vida para receber oxigênio pelo cordão umbilical.
Deixou de colocar o universo na palma de sua mão para ter sua mão formada no ventre da jovem mãe.

Deixou agradáveis perfumes dos céus para nascer em meio ao fétido estábulo.
Deixou de assentar-se no sublime trono para dormir na manjedoura improvisada de palha.

Deixou de emitir voz de retumbante trovão para exprimir-se através do choro rouco recém-nascido.
Deixou o aplauso de toda criação em troca de ser levantado pelas mãos de um velho no templo.

Deixou de comandar os exércitos celestiais para fugir da matança, ainda bebê, carregado no colo.
Deixou sua posição de quem tudo sabe (e como sabe!) para sentar-se no banco escolar da sinagoga.

Deixou as riquezas imarcescíveis para viver do rendimento de um simples marceneiro.
Deixou de caminhar em ruas de ouro para andar em estradas poeirentas.

Deixou festas no paraíso para estar em jantares com coletores de impostos.
Deixou a adoração de serafins e querubins para ouvir desaforos e provocações.

Deixou de tocar as estrelas para tocar nossas feridas.
Deixou de chamar as estrelas pelo nome para chamar, pelo nome, muita gente humilde.

Deixou coros celestiais para ouvir sussurros e gemidos de miseráveis.
Deixou de ser servido pelos anjos para servir os marginalizados.

Deixou a posição de Senhor para tornar-se o mais humilde servo.
Deixou todo conforto do palácio para enfrentar as dores mais intensas.

Deixou de viver acima e distante para viver bem pertinho no nosso meio.
Deixou de agir como Deus, sem deixar de ser Deus, para agir como gente comum.

Deixou seu trono alto e sublime para fazer amigos.
Deixou seu sangue ser derramado para fazer irmãos.

Deixou sua vontade própria para tomar do cálice.
Deixou-se morrer para nos ressuscitar.

Deixou o que não precisava deixar.
Deixou pra trás o lugar onde todos desejariam estar.

Deixou tudo para não nos deixar.
Deixou tudo para nos salvar!

AUTOR: Rodolfo Montosa
Postar um comentário