quinta-feira, 1 de novembro de 2012

"O CUIDADO NA VIDA DE JESUS"


 "Essas mulheres tinham acompanhado e ajudado Jesus quando ele estava na Galileia" (Marcos 15.41 - NTLH). 

A vida de Jesus impressiona a todos, seja qual for o ângulo de observação. Podemos olhá-lo como firme referência para o bem-viver em qualquer área de nossa vida. Ele viveu de maneira perfeita em tudo o que falou, olhou, tocou, ouviu e decidiu. Simples. Prático. Direto. Veio para nos ensinar e nos deixar uma herança para uma vida plena e abundante. Podemos seguir suas pisadas para sempre estar em terreno seguro. Curiosamente, tudo começou em sua vida como de qualquer outro ser humano.

Recebeu cuidado 

Jesus precisou receber cuidado de seus pais, pois era uma criança pequena e indefesa. José e Maria o levavam, desde pequeno, para o templo com o objetivo de apresentá-lo a Deus (Lucas 02.22). Por orientação de Deus, fugiram para o Egito para que Herodes não o matasse (Mateus 02.13-14, 20-21). 

Cuidavam tão bem que o "menino crescia e ficava forte; tinha muita sabedoria e era abençoado por Deus" (Lucas 02.40 - NTLH). Foi cuidado também pelo povo de Deus. Simeão o pegou no colo (Lucas 02.28), os magos deram presentes (Mateus 02.11), até após sua morte, José de Arimateia e Nicodemos cuidaram de seu sepultamento (João 19.38-40).        
Mas seu valor pelo cuidado não pode ser observado somente por ter recebido na infância ou após a morte, quando não tinha decisão sobre esta área.

Deixou-se ser cuidado

 
Impressiona-nos o fato de que Jesus deixou-se ser cuidado mesmo quando adulto. Foi cuidado pelos anjos após o difícil tempo de jejum, oração e tentação no deserto (Marcos 01.13). Aliás, tinha disponível esse serviço em todo o tempo que quisesse, mesmo que fossem necessários mais de doze legiões de anjos (Mateus 26.53). 

Surpreendentemente, não se utilizou desse recurso. Ao contrário do serviço celestial, preferiu ser servido pelos humanos. Gente como ele. Gente de carne e osso. Gente de sentimentos e emoções. Gente com dores e sonhos. Por isso, o impacto no momento de sua morte foi tão grande.

"Algumas mulheres também estavam ali, olhando de longe. Entre elas estavam Maria Madalena, Salomé e Maria, que era mãe de José e de Tiago, o mais moço. Essas mulheres tinham acompanhado e ajudado Jesus quando ele estava na Galileia. Além dessas, estavam ali muitas outras mulheres que tinham ido com ele para Jerusalém" (Marcos 15.40-41 - NTLH).

Buscou cuidado

 
Ao olhar com olhos mais atentos aos detalhes de sua vida, percebemos que, além do cuidado voluntário, natural de quem o amava, Jesus buscou cuidado no momento mais difícil de sua vida (Marcos 14.32-42). Fez isso com muita intensidade. A narrativa de seu período de oração no Getsêmani diz que por três vezes ele buscou seus amigos e discípulos mais íntimos, clamando que ficassem com ele. Estava tomado de pavor e angústia. 

Com a mesma força que adiantava-se ao local para orar a Deus, retornava para ver se seus amigos estavam com ele. Mesmo sendo Deus, Jesus expressou o quanto precisava do conforto e consolo de seus amigos. Infelizmente Pedro, Tiago e João dormiram. Mesmo assim, Jesus nos deixou clara a lição que devemos procurar ajuda e cuidado em tempos de luta. Seu olhar para a vida refletia seu grande valor da comunhão, da comunidade, da integração, da interdependência. Disse não à autonomia, à independência, ao isolamento. 

Compadeceu-se do descuidado

 
Sendo essa sua maneira de ser e pensar, Jesus compadeceu-se do descuidado com muita intensidade. 

"Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor" (Mateus 09.36). Seu choro diante do povo que rejeitou ser cuidado foi registrado:"Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!" (Mateus 23.37).   

Exerceu o cuidado

 
Como não era um teórico conceitual, Jesus exerceu o cuidado sobre os seus mais queridos, como seus discípulos (ex. João 13.04-05), ou mesmo pendurado na cruz, "vendo Jesus sua mãe e junto a ela o discípulo amado, disse: Mulher, eis aí teu filho. Depois, disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. Dessa hora em diante, o discípulo a tomou para casa" (João 19.26-27). Também cuidou do próximo, de todo aquele que se aproximava dele (ex. Mateus 04.24; 08.16; 12.15, 22; 14.14; 15.30; 19.02; 21.14).

Recomendou o cuidado


Por último, Jesus recomendou o cuidado, quando, em sua última conversa, pergunta a Pedro por três vezes se o amava, recomendando que cuidasse das suas ovelhas (João 21.15-17). Ou seja, sua derradeira orientação antes de subir aos céus é que seus amados líderes e sucessores cuidassem uns dos outros, cuidassem de você e de mim.


AUTOR: Rodolfo Garcia Montosa 
Postar um comentário