terça-feira, 11 de abril de 2017

"A ALEGRIA DA CASA DO SENHOR!"

Resultado de imagem para Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor


Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor (Salmos 122.1).

Nos últimos seis anos, tenho ficado à porta da igreja antes de todos os cultos para receber o povo de Deus. Fico alegre especialmente ao ver muitas crianças chegando cheias de entusiasmo, correndo, com sua Bíblia debaixo do braço, com os versículos decorados para participar dos trabalhos. Isso faz-me lembrar de minha infância quando meus pais diziam: vamos à casa do Senhor! Aliás, como nos escreveu o Pr. Lincoln no editorial do boletim da IPI em julho, "casa de Deus é onde o povo de Deus se reúne, quer seja na célula, seja culto público". Acrescento: dois ou três reunidos no nome do Senhor é casa de Deus, pois ele está ali, habitando, ministrando (Mateus 18.20). Mas, será que todos ficam alegres quando estão a caminho da "Casa de Deus"? Percebo neste salmo quatro marcas que têm aqueles que se alegram ao encontrar-se com o povo de Deus e amam ir à casa do Senhor.

Os que se alegram com a Casa de Deus têm no coração a marca da expectativa. 

(Pararam os nossos pés junto às tuas portas, ó Jerusalém!) A figura dos pés juntos às portas marca o exato momento quando a jornada se encerra e inicia o encontro com o povo de Deus. As caravanas chegavam para as festas da Páscoa, Pentecostes ou Tabernáculos, ou por outro motivo para estarem juntos, carregando no coração muita expectativa e fé, pois sabiam que há uma bênção reservada quando o povo está junto em união. Como diz minha mãe, devemos agradecer a Deus pelo banquete, mas também pelo apetite. De que adianta ter a mesa cheia, sem apetite? De que adianta ter um banquete espiritual, sem fome e sede de Deus? Lembre-se que Jesus pode fazer muito pouco pela falta de expectativa e fé(Marcos 6.5-6).

Os que se alegram com a Casa de Deus têm no coração a marca da gratidão. 

(Jerusalém, que estás construída como cidade compacta, para onde sobem as tribos, as tribos do Senhor, como convém a Israel, para renderem graças ao nome do Senhor.) Convém ao povo de Deus expressar sua gratidão de maneira notória, pública, coletiva, patente e manifesta no meio da multidão daquela cidade compacta. Faziam isso através dos louvores e orações, e não vinham de mãos vazias, mas traziam seus dízimos e ofertas. O louvor atrai a manifestação da presença de Deus, ao mesmo tempo que, na presença de Deus, não há outro comportamento mais apropriado senão o louvor e adoração. Lembre-se que Deus habita no meio dos louvores (Salmos 22.3).

Os que se alegram com a Casa de Deus têm no coração a marca do respeito. 

(Lá estão os tronos de justiça, os tronos da casa de Davi.) A expressão faz referência aos sistemas de governo do povo de Israel, tanto no tempo de juízes, quanto na monarquia, indicando o reconhecimento das autoridades instituídas pelo Senhor para conduzir seu povo. O respeito pelas autoridades espirituais é marca fundamental. Filhos respeitando seus pais. Adultos respeitando as autoridades que foram constituídas para serviço do povo. As autoridades exercendo suas funções de maneira justa e com temor diante de Deus. Lembre-se da instrução da Bíblia: "Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros" (Hebreus 13.17).

Os que se alegram com a Casa de Deus têm no coração a marca do amor.

(Orai pela paz de Jerusalém! Sejam prósperos os que te amam.) Certa vez John Kennedy declarou: "não perguntem o que a América pode fazer por vocês, mas o que vocês podem fazer pela América". Parafraseando-o: não pergunte o que a igreja pode fazer por você, mas o que você pode fazer pela igreja. A lógica é simples: se todos esperam receber, todos ficarão insatisfeitos. Se todos servirem, todos serão saciados. A igreja que ama intercedendo e servindo um ao outro encontra alegria. Por isso o salmista insiste que devemos orar e amar o povo de Deus. Lembre-se da poesia de Paulo em 1 Coríntios 13 que nos ensinou que, sem amor, não temos nem somos nada. Deus é amor e em Cristo nos coloca nesta dimensão.

Assim estão marcados aqueles que descobrem a alegria do ajuntamento do povo de Deus: expectativa e gratidão a Deus, respeito e amor pelos irmãos. Resultado final: entra com alegria e desfruta da paz (Reine paz dentro de teus muros e prosperidade nos teus palácios. Por amor dos meus irmãos e amigos, eu peço: haja paz em ti! Por amor da Casa do Senhor, nosso Deus, buscarei o teu bem.)


AUTOR: Rodolfo Garcia Montosa. 
Postar um comentário