sexta-feira, 11 de setembro de 2009

"A ORAÇÃO DE JESUS PELA SUA IGREJA"


João 17:6-26

A igreja é o único organismo vivo capaz de levar a mensagem que pode transformar o homem caído. Certamente os projetos governamentais e a mobilização da sociedade a favor do homem podem trazer muitos benefícios à vida humana. Mesmo que os governantes do mundo se juntassem e se voltassem a favor da vida, ainda assim eles seriam limitados no alcance do homem em sua integralidade.

Só o Evangelho pode penetrar o coração, só Jesus pode perdoar pecados, só o Espírito Santo pode transformar as mentes. A igreja é o único organismo instituído pelo Deus Todo Poderoso para levar as novas de salvação e para isso toma o Seu Filho e o coloca como cabeça da Igreja (Ef 1:20-23 – Mt 28:18-20). O texto de João 17, nos ensina que o Senhor Jesus desejava que a sua igreja desse continuidade a sua mensagem e para isso orou.

Que a Igreja tenha a percepção da Glória de Deus – v. 22

A palavra glória, no grego, vem de doxa e significa a manifestação visível do esplendor, poder e majestade de Deus. Assim quando Jesus ora para que percebamos a glória de Deus, seu desejo é que sintamos continuamente o esplendor, poder e majestade de Deus em nosso meio. Sempre que a presença de Deus se faz sentir no meio do seu povo o resultado disso é um avivamento espiritual.

O desejo de Deus sempre foi e é manifestar a sua glória, revelar-se ao homem para resgatá-lo do pecado. Desde que o homem caiu em pecado desobedecendo a ordem do Senhor, Ele está em busca do homem.

Quando Deus chamou Abraão e disse que nele faria uma grande nação Ele fez com o propósito que todas as famílias da terra fossem abençoadas. A tarefa da nação de Israel era revelar à glória de Deus às nações e ao terem esta revelação muitos se voltariam para o Deus eterno.

No NT esta responsabilidade passa a Igreja. Revelar a glória de Deus aos homens de todo o mundo é tarefa da igreja, tão digna, tão altíssima, tão realizadora e tão urgente que os anjos desejaram fazê-lo.

Jesus orou, ”eu lhes dei a glória que me deste” (v.22). para que tenham unidade e o mundo creia que me enviaste. Revelar esta glória é uma responsabilidade individual e coletiva da igreja. O mundo deve olhar para nossas vidas e ver a glória de Deus e se isso não acontece é porque não temos vivido para isso.

Orou para que sejamos unidos no amor de Deus – v. 21 e 23

Ele orou para que fossemos unidos em amor. Quando amamos uns aos outros somos capazes de abalar o mundo e o inferno. O que abala o inferno não é o prédio bonito que temos, o que abala o inferno é a vida de amor de uns pelos outros. “Veja como eles se amam” era o testemunho do mundo para com os primeiros cristãos.

Hoje, muitos cristãos não estão vivenciando esta dimensão do amor e esta é uma das razões porque o testemunho da igreja na sociedade é fraco, raquítico, inofensivo.

Em Iº Co. 11 Paulo orienta sobre a ceia e deixa um alerta. Ele mostra que muitos não estão discernindo o corpo – comem e bebem indignamente, ou seja, não amam o corpo. Separam um membro do corpo e dizem ”não quero nada com você”. Quem aqui pode dizer para seu olho, fica aí, “não quero nada com você”. Ou então, se o seu ouvido está doendo, dizer “agüenta sozinho”.

O texto da ceia diz que quando fazemos isso não estamos discernindo o corpo e por isso o apóstolo diz: “por causa disso, há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem”.

É amor que fortalece a igreja, é o amor que dá vida à igreja, é o amor que revela a presença do Espírito Santo e é o amor que gera a glória de Deus. E o avivamento acontece.

Jesus disse que seriamos conhecidos como seus discípulos pelo amor que teríamos uns pelos outros. Jesus orou para que fossemos unidos no amor e que as nossas diferenças não fossem instrumentos de divisão, mas sim de estímulo para andarmos juntos.

Jesus orou para que prosseguíssemos na Missão que ele nos confiou - v. 17,18

A Igreja tem uma missão. O Pai jamais pegaria o Seu Filho e o colocaria como cabeça de um organismo, se este organismo não tivesse a maior missão da face da terra - anunciar a glória de Deus entre os homens.

Esta é a tarefa da Igreja e ela é tão desafiadora, tão grande, que implica na inclusão de todos os filhos de Deus. Todos nos somos chamados a participar.

O grande desafio da missão dos nossos dias é continuar. Nos últimos dez anos muitas igrejas estagnaram sua ação missionária. Só continuam realizando algumas ações porque têm recursos financeiros e acham que isso é tudo. Outras regrediram e outras tantas pararam.

A igreja brasileira cresceu na sua membresia. As estatísticas dizem que somos 40 milhões de evangélicos (não estamos discutindo a qualidade), mas, a igreja evangélica no Brasil não avançou.

Se hoje temos duzentos e cinqüenta mil igrejas e apenas quatro mil missionários transculturais, isso significa que precisamos de 62 igrejas para um missionário ou temos 0,001% de missionários da membresia da igreja. Crescemos? Crescemos! Avançamos? Não avançamos. Jesus orou para que prosseguíssemos.

Apesar dos ataques suicidas serem levados quase ao vivo pela TV, passados 2.000 anos de cristianismo, a realidade é: 1/3 da população do mundo não ouviu sobre o nome de Jesus, 93 tribos indígenas não tem presença evangélica, 1132 municípios brasileiros têm menos de 5% de evangélicos e 33.000 comunidades ribeirinhas carecem de uma presença consistente da igreja de Jesus.

Duas razões para este quadro. Primeira: o envolvimento dos cristãos é muito pequeno, o movimento de oração pela obra missionária é acanhado, a disposição para sermos missionários é frágil, os recursos têm sido insuficientes porque um número pequeno de cristãos está se envolvendo financeiramente. Segunda: nos últimos anos a maioria dos líderes ficou mais preocupada com o modelo da igreja do que com a sua natureza

Jesus orou para que continuássemos a cumprir a tarefa. Que prosseguíssemos sem esmorecer, sem tréguas. Que não desistíssemos diante das provações e lutas que seguiriam aqueles que crêem.

Concluindo

Jesus orou e ordenou para que refletíssemos a sua glória entre os homens. Jesus orou para que na diversidade nos amássemos e isso seria testemunho ao mundo. Jesus orou para que prosseguíssemos na missão que é de levar o evangelho a toda criatura.

Estes são os grandes desafios.

AUTOR: Nivaldo Góis
Postar um comentário